Para Alice

CEDO

Cedo, Alice

Em memória da minha amiga Alice Medeiros

Chegaste
E era cedo.
E foi fácil perceber
A serenidade, a brotar da eternidade, num ensejo muito raro
– um halo claro -,
Que se espalhava em teu redor como uma coroa fina,
De mulher sempre menina,
Feita de muitas vontades, num brando vapor, envolta em neblina…

Partilhaste
E era cedo.
O que de melhor tinhas (nem ao certo se sabia de onde vinhas),
Deste aos outros.
Nada quiseste para ti: nem a nossa gratidão (não pudemos dizer-ta),
Nem a nossa compaixão (tivemos a que já não viste).
Na nossa ignorância – é triste -, não interpretamos o alerta.
Saíste…
E era cedo.

Ignoraste,
E era cedo,
O mal que te corrompia o corpo por dentro,
Era cedo,
Que se alastrou até ao teu centro (o centro de ti), que te tirou a voz, a suave voz com que falavas, que te levou num vapor quase tão invisível como aquele que te havia trazido até nós.
E era cedo. Era cedo.

Partiste
E era cedo.
Sem avisar, porque já nada mais podias fazer pelos outros.
Sem avisar, porque tu não importavas, só os outros.
Sem avisar, com a serenidade que te levou embora,
Com uma borboleta no cabelo, sem mais demora – a demora que nós queríamos, ainda, de ti.
Partiste. E era cedo.
Descansa em paz.

Anabela Borges, professora, (texto e ilustração: “Voa, Anjo”, óleo/pastel sobre papel manteiga)

Uma resposta

  1. CEDO é um poema repleto de beleza e emoção, uma homenagem singular em memória da nossa colega Alice.
    Bem-haja Anabela.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: